X

EI, NÃO VÁ
EMBORA AINDA!

Entre em contato e receba uma consultoria especializada de nossa equipe. Você pode solicitar uma simulação sem compromisso e esclarescer todas as suas dúvidas!

ENTRAR EM CONTATO Agradecemos a visita!
Categorias
25/08/2021 14h55 - Atualizado em 03/09/2021 15h17
Você já deve ter ouvido falar que, no futuro, todas as empresas serão de tecnologia da informação. Tal afirmação não é nenhum exagero, visto que estamos vivenciando um processo acelerado de transformação digital em diversos setores da economia.

  

Para as empresas as vantagens são inúmeras. A inserção no mundo digital viabiliza escalar os negócios, testar serviços e produtos com mais velocidade, estabelecer conexões mais efetivas com o público e, se necessário, corrigir rotas e reformular estratégias de gestão.

 

Identificados todos esses benefícios, a questão então passa a ser: qual o futuro da TI? Qual a nova configuração das empresas do setor em meio a tantas inovações? Neste artigo, listamos cinco pontos capazes de responder a essas perguntas.

Maior investimento em segurança

A ameaça à segurança de sistemas corporativos é crescente, de modo que as organizações e os profissionais de tecnologia da informação vêm tentando se adaptar a essa nova realidade. Nesse cenário, a cultura interna das empresas precisa adotar uma nova perspectiva de trabalho para tornar os softwares mais seguros.
 
Ao mesmo tempo, não se pode perder de vista o cuidado com a privacidade dos dados dos usuários, questão que ganhou relevância ao longo dos últimos meses, sobretudo depois da aprovação da nova Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD. 
 
Para atendimento de demandas dessa natureza, uma nova estrutura administrativa vem sendo criada pelas empresas de software. Em diversas organizações o nome dado é o de diretoria de cultura de segurança cibernética. Os profissionais lotados nesse tipo de setor passam a cuidar do elemento humano da segurança cibernética, já que a tendência é que haja uma integração entre cultura organizacional e segurança das informações.
 

Foco na experiência do usuário

Experiência do usuário nada mais é que a interação de alguém com a interface de um site, aplicativo móvel ou com qualquer outra solução oferecida pela empresa. Quanto a isso, vale ressaltar que existem vários elementos que contribuem para a qualidade dessa experiência. Os principais são:
 
• concepção de boas experiências para o público;
• qualidade de interface das aplicações;
• usabilidade e funcionalidade das soluções.
 
Vale ressaltar que o design da experiência não é o mesmo que experiência do usuário. Isso porque UX é o que as pessoas de fato experienciam, e não os elementos separados que profissionais de TI especializados em UX reúnem para estruturar uma solução. Otimizar e refinar os componentes do design de forma integrada é o que de fato poderá causar um impacto positivo.

Desenvolvimento de aplicações em nuvem para tecnologia da informação

A computação na nuvem pode ter um papel-chave para o desenvolvimento de aplicações em um ambiente integrado e é outra tendência consolidada para o futuro das empresas de softwares. Soluções nesta área tornam qualquer rotina de desenvolvimento mais eficaz e permitem aos profissionais desfrutar de maior flexibilidade no exercício de suas atribuições.

 

A propósito, as soluções de armazenamento em nuvem viabilizam maior integração entre as equipes de trabalho. Afinal, o gerenciamento de arquivos é feito com mais agilidade e segurança. Com apenas alguns cliques os usuários podem editar e visualizar dados de uma rotina de desenvolvimento e compartilhar resultados com os demais.

 

Por sua vez, a migração das aplicações de desenvolvimento para a nuvem também é uma abordagem que otimiza processos de gestão, conferindo um ganho de qualidade à solução oferecida. Aplicativos executados em nuvem contam com diversas vantagens, entre as quais podemos citar:
 
• maior disponibilidade para o usuário;
• não sofrem com a vulnerabilidade de servidores locais e
• podem ser escalados rapidamente.
 
Não podemos nos esquecer que, quando uma aplicação não consegue ser executada sempre com uma performance de excelência, erros operacionais passam a ocorrer com maior frequência, minando a competitividade da organização. Situações com as de retrabalho - na qual um operador realiza um mesmo procedimento mais de uma vez para atingir o resultado desejado - atrasam as entregas associadas a diferentes etapas de uma cadeia produtiva.
 

Influência da internet das coisas no desenvolvimento de softwares

Também conhecida pela sigla IoT, a Internet das Coisas (ou Internet of Things, em inglês) é uma nova categoria de dispositivos que veio para revolucionar diversas aplicações na área de tecnologia.

 

O que temos na prática são pequenos sensores e gadgets inteligentes, que se conectam a aplicações e outros dispositivos por intermédio de conexões sem fio. Isso é feito para a troca e coleta de informações.

 

Na área de tecnologia da informação, esse tipo de solução é sinônimo de novas oportunidades de negócio. Graças à IoT, empresas do setor podem utilizar criar compreender como clientes lidam com seus serviços e, com isso, desenvolver novos meios para otimizar a experiência do usuário.

 

Para citarmos apenas um exemplo, podemos falar de uma aplicação já desenvolvida na área de saúde. Com o auxílio de sensores de movimento, usuários de academia podem monitorar e colher, em tempo real, dados de desempenho de seus exercícios, como batimentos cardíacos, elasticidade dos movimentos e nível de oxigênio no sangue.
 
Essas informações podem ser sistematizadas e analisadas com o intuito de otimizar a experiência do usuário - algo que já vem sendo feito por empresas desse segmento.

 

Os sensores domésticos também estão em alta. Milhões de pessoas vêm utilizando soluções desenvolvidas a partir desse recurso. Nesse caso, dispositivos inteligentes conectados a assistentes pessoais, como o Amazon Echo e o Google Home, podem ser conectados às aplicações da empresa para a venda e oferta de serviços e produtos. Dessa forma, as empresas se fazem presentes em outros tipos de canais.

  

Podemos falar ainda do poder dos dados coletados por dispositivos de internet das coisas para o negócio. Integrados nas rotinas de análise de mercado, os dados coletados permitem aos gestores conhecer os consumidores do negócio como nunca. A consequência mais direta disso é viabilizar que a empresa se antecipe a eventuais mudanças de preferência e reformule suas soluções para atender ao mercado.

 

Depois de acompanhar esta discussão sobre o futuro da tecnologia da informação, convidamos você a conferir mais um conteúdo de nosso blog. Desta vez, falamos sobre ERP.