X

EI, NÃO VÁ
EMBORA AINDA!

Entre em contato e receba uma consultoria especializada de nossa equipe. Você pode solicitar uma simulação sem compromisso e esclarescer todas as suas dúvidas!

ENTRAR EM CONTATO Agradecemos a visita!
Categorias
17/08/2021 14h58 - Atualizado em 17/08/2021 16h30
A inteligência artificial no mercado jurídico é um assunto relativamente novo dentro do setor. Muitos advogados tinham dificuldades de incorporar essa tendência nos seus escritórios. Porém, ela tem deixado de ser uma tendência e tem se tornado uma realidade, e fugir dela implica, cada vez mais, em prejuízos financeiros dentro do mercado de trabalho.

Por conta disso, o mercado jurídico tem buscado se inteirar do assunto para absorver de forma gradativa essa evolução. Confira abaixo tudo o que você deve saber para se preparar e não ficar para trás dentro dessa nova realidade.
 

O que é Inteligência Artificial

Você já deve ter assistido o filme A.I. Inteligência Artificial. Se não viu, pelo menos deve ter ouvido falar. Quando o assunto é inteligência artificial, o que as pessoas imaginam é mais ou menos o que se vê naquele filme. Robôs andando por aí, pensando, tomando decisões sobre a sua própria existência, amando, odiando, fazendo tudo o que humanos fazem.

Na maioria das vezes, isso pode gerar 2 sentimentos, ou medo, ou descrença. E esses dois sentimentos fazem com que você não se interesse em saber sobre o assunto, ou até que prefira evitar tudo ao seu respeito.

Acontece que a inteligência artificial da vida real, presente no nosso dia a dia, não tem nada a ver com essas imaginações ou com o que vimos nos filmes. É preciso aprender sobre esse assunto, até porque ele já é uma realidade e quem não se inteirar, vai acabar ficando ultrapassado.

A inteligência artificial, também chamada de IA, (ou AI de Artificial Intelligence) é uma área dentro da Ciência da Computação. Ela agrupa várias tecnologias com o objetivo de criar sistemas que simulem uma inteligência similar à humana, utilizando apenas máquinas.

Tecnologias como algoritmos, sistemas de aprendizado, redes neurais artificiais, entre outras, são utilizadas em conjunto para simular capacidades humanas como percepção de ambiente, tomada de decisão e raciocínio. Tudo isso é feito baseado na construção de enormes bancos de dados.
 

AI e a Quarta Revolução Industrial

Segundo economistas, a humanidade vivenciou quatro revoluções industriais. A primeira trouxe como principal contribuição a produção em escala. Nesse momento, se iniciou o uso de máquinas que substituíram o trabalho artesanal pelo assalariado.

A segunda trouxe o progresso de meios de transporte e comunicação. Ocorreu o desenvolvimento de indústrias elétricas, químicas, de aço e de petróleo. Na terceira ocorreu a substituição da tecnologia analógica pela digital. Surgiram microcomputadores, telefone celular e internet.

Segundo o livro “A Quarta Revolução Industrial”, escrito por Schwab, presidente do Fórum Econômico Mundial, desde 2011 nós estamos vivendo a quarta revolução industrial. Ela consiste na concentração de praticamente todas as tecnologias existentes até o momento, que estão transformando o mundo em todos os aspectos.

Entre elas, encontra-se a inteligência artificial que possui um papel importante nesse processo, e que está sendo englobada em diversas áreas, incluindo no mercado jurídico.

Inteligência Artificial e Automação

Muitas pessoas acreditam que inteligência artificial e automação significam a mesma coisa. Mas isso não é verdade. Aprenda agora a diferenciar.


Automação

O conceito de automação está ligado a sistemas e máquinas que irão trabalhar com o mínimo de interação humana. O seu principal objetivo é aumentar a produtividade e diminuir os custos de produção.

A automação é utilizada para trabalhos repetitivos e mecânicos visando maior escala e qualidade. Ela não foi criada para substituir o homem, e sim, facilitar o seu dia a dia, e já vem sendo utilizada de forma ampla nos ambientes de trabalho.

Inteligência Artificial

A utilização da inteligência artificial vai mais além que a automação. Ela consegue alcançar resultados mais rápidos e produtivos, uma vez que consegue acessar bancos de dados bastante extensos, cruzar essas informações, realizar monitoramentos, analisar e mostrar estudos de estatística e chegar a resultados.

Ela é encontrada em sistemas e aplicativos que são capazes de aprender, raciocinar e até executar novas tarefas. Porém, ainda está sendo implementada na rotina diária.
 

Inteligência Artificial no Mercado Jurídico

No Brasil, a inteligência artificial no mercado jurídico é algo recente, porém, existem países que já utilizam esse mecanismo há algum tempo.

Com o uso da inteligência artificial no mercado jurídico, máquinas são capazes de simular o raciocínio de um advogado ou de um outro trabalhador do meio jurídico e realizar algumas atividades que, em outros tempos, se pensaria ser possível produzir apenas por um humano.

São desenvolvidos softwares capazes de tomar decisões e realizar sozinhos algumas tarefas, e não apenas servir simplesmente como suporte administrativo.

Com a automação já implantada no mercado jurídico, o armazenamento e as pesquisas em bancos de dados se tornaram muito mais rápidas e facilitadas. Os softwares de inteligência artificial no mercado jurídico utilizam essas pesquisas para sugerir decisões, apontar riscos e expor incongruências.

Dessa forma, com o uso da inteligência artificial no mercado jurídico, é possível afirmar que se tem mais justiça para todos. Afinal, as falhas são diminuídas e a qualidade do serviço prestado aos clientes aumenta.

Como a Inteligência Artificial está transformando o Mercado Jurídico

O Brasil é um dos países com o maior número de processos no mundo e sem tecnologia não é possível dar conta dessa demanda. Pensando nisso, estão surgindo diversas Lawtechs que buscam encontrar soluções para os problemas do sistema jurídico.

Como ainda estamos vivenciando esse período da quarta revolução industrial, e ainda estamos observando a implantação dessa tecnologia no meio jurídico, é mais difícil explicar o impacto da inteligência artificial no mercado jurídico sobre nós. No futuro essa visualização será muito mais simples e didática.

Mas é possível já observar a transformação que ocorre, cada vez mais, na rotina dos advogados. A inteligência artificial no mercado jurídico otimiza grande parte do seu trabalho burocrático, sobrando mais tempo para os trabalhos estratégicos e para o contato com clientes.

O serviço dos órgãos do Poder Judiciário também já são visivelmente impactados através da diminuição de falhas encontradas e da maior rapidez na finalização dos processos.

Para a população em geral, o que se espera enxergar de transformação é a maior rapidez na duração dos trâmites, uma maior proporção de acertos nos resultados, maior simplicidade para se ter acesso ao serviço jurídico e, consequentemente, uma justiça, em geral, mais eficiente. Além, é claro, de um serviço mais barato para maior acesso da população.

Em relação a valores, normalmente, se imagina que quanto mais tecnologia envolvida, maior o custo do serviço. Mas não é bem assim. Com a facilidade proporcionada pela inteligência artificial no mercado jurídico, os atendimentos irão ocorrer em maior escala e com menor tempo de trabalho humano para cada cliente, e dessa forma, o preço tende a cair.
 

O que são Lawtechs

Existe um mercado relativamente novo no conhecimento do brasileiro comum, que é o mercado das startups. Os Estados Unidos, há algum tempo, vem se destacando nessa área, especialmente na região conhecida como Vale do Silício.

Uma startup é um grupo de pessoas que estão, geralmente, no início de uma empresa, e que buscam um modelo de negócios que seja repetível e escalável. Iniciado através de uma ideia diferente e em condições de extrema incerteza.

Pela facilidade de reprodução e possibilidade de escala, essas empresas, na sua maioria, se voltam para o mercado tecnológico. Essas startups atuam em diversos setores do mercado de trabalho.

A palavra Lawtech vem da língua inglesa e é a junção das palavras Law (que significa lei ou legislação) e Tech (que é a abreviação de technology e significa tecnologia).

As Lawtechs são startups voltadas para elaboração de soluções tecnológicas focalizadas para o setor jurídico. Ou seja, elas se dedicam a estudar esse setor, identificar os possíveis problemas ou pontos de melhoria e desenvolver tecnologia capaz de sanar essas demandas. Mas essa tecnologia não é necessariamente inteligência artificial.

Existem startups em diversos setores. Por exemplo as Healthtechs, que são da área da saúde, as Edtechs, que são da área da educação e as Fintechs, que são da área financeira.

A partir do momento que os advogados começaram a se reconhecer como empreendedores, surge a necessidade de buscar meios para alavancar resultados dentro desta área, em grande nível. As Lawtechs foram criadas a partir da identificação dessa necessidade no mercado jurídico.
 

Exemplos de Tecnologias da Inteligência Artificial aplicadas no Mercado Jurídico 

Por muito tempo, para resolver qualquer tipo de questão relacionada aos bancos, precisava ser de forma presencial, e você enfrentava filas gigantescas que tomavam boa parte do seu dia. As Fintechs revolucionaram o mercado financeiro e agora você não precisa mais enfrentar obstáculos de atendimento para necessidades simples desta área. Hoje você tem a oportunidade de utilizar ferramentas como Nubank e GuiaBolso.

As Lawtechs buscam trazer essa evolução para o mercado jurídico, e estão conquistando cada vez mais espaço. Veja alguns exemplos de Lawtechs que estão transformando esse setor.
 

Forelegal

Foi criada com o objetivo de integrar inteligência artificial com gestão analítica. Na prática, essa plataforma integra diversas soluções para gestão de processos, através de predição jurídica, monitoramento de processos e geração automática de indicadores.

Digesto

Seu objetivo é, segundo a empresa, mapear o “genoma legal brasileiro”. Ela consulta dados jurídicos de todo o Brasil e cria uma base de dados centralizada. Pela utilização da AI, essa plataforma produz dados uniformes que permitem uma busca mais precisa e um levantamento de informações acelerado. É uma ótima ferramenta de inteligência artificial no mercado jurídico.

Doc9

A função dela é facilitar diligências jurídicas de escritórios de advocacia. Através de um sistema, o cliente vai solicitar as suas diligências e a startup vai facilitar a gestão do controle desse pedido, e vai acompanhá-lo até ser entregue.

Docket

É uma plataforma voltada para grandes empresas. Ela permite resolver todos os problemas em relação à obtenção dos mais diversos documentos, como por exemplo, toda a papelada que se refere a junta comercial, ambiental, de prefeitura, certidões, entre outros.
Eles afirmam que a cada 100 documentos entregues, a plataforma é capaz de economizar cerca de 1000 horas de trabalho das equipes de backoffice.

Juristec+

Ela foi criada para ajudar quem precisa valorizar uma ação judicial com parâmetros justificáveis e técnicos, mas não possuem meios para isso. Ela foi pensada para suprir a necessidade de prever resultados e gerar informações assertivas no mercado jurídico.

Legaut

Sua função é tornar o back-office mais eficiente e menos repetitivo, sem prejudicar a qualidade da análise de dados. Para isso, foi desenvolvido um algoritmo que analisa documentos de forma automatizada e inteligente, graças ao uso da inteligência artificial no mercado jurídico.

BipBop

O BipBop é outra ferramenta de inteligência artificial no mercado jurídico. Sua função é capturar e processar informações encontradas na internet. Um exemplo dela é capturar informações sobre processos em sites de tribunais. O seu algoritmo tem um diferencial, que é o machine learning, ou seja, a capacidade de aprender com a própria experiência.

Aurum

Ela busca ser o braço direito do advogado ao trazer soluções de gestão de processos. É dividida em 2 áreas. Themis, voltado para atender grandes bancos e departamentos jurídicos, e Astrea, voltado para advogados autônomos e pequenos e médios escritórios de advocacia.
Na prática, ela fornece vários recursos que ajudam o advogado a ter mais organização e tranquilidade, como por exemplo, gerando documentos, controlando tarefas e prazos e criando integração aos sites dos tribunais e diário oficial.

Tikal Tech

Foi pensada para economizar o tempo dos advogados, gerar eficiência e reduzir os custos. Ela possui o robô-advogado, que utiliza inteligência artificial para acelerar processos e deixar o dia a dia do advogado mais produtivo.

Exemplos de estruturas que fazem parte do projeto são o LegalNote, que permite que os advogados se informem com agilidade, e o SeuProcesso, que possibilita informar o passo a passo do seu processo, para as pessoas físicas.
 

Benefícios do uso da Inteligência Artificial no Mercado Jurídico

Na prática, existem alguns benefícios observados ao se utilizar inteligência artificial no mercado jurídico. E eles precisam ser bem entendidos para que a sua implantação seja amplamente aceita. Confira abaixo os principais benefícios do uso da inteligência artificial no mercado jurídico.
 

Utilização de métricas e cruzamento de informações

Com o uso de algoritmos capazes de utilizar métricas e cruzar informações, se consegue fazer previsões que aumentam as chances de êxito nas demandas. E com a capacidade de aprendizado da máquina, quanto mais ela “estuda”, mais ela se torna assertiva. Assim, ela poderá te ajudar analisando estatísticas para elaborar recursos e outras peças, além de fazer recomendações específicas para os processos através da inteligência artificial no mercado jurídico.

Aumento da eficiência da gestão do escritório ou departamento jurídico

Os softwares que utilizam inteligência artificial no mercado jurídico, capturam automaticamente informações do escritório ou departamento, processos e outras tarefas referentes ao ambiente de trabalho. Assim, eles coletam e analisam dados gerenciais para tomar decisões embasadas, que melhoram a eficiência na administração.
Isso acaba gerando um menor índice de erros e mais tempo livre para os profissionais envolvidos, que poderão se dedicar mais a tarefas estratégicas.

Redução de gastos

Existem plataformas de inteligência artificial no mercado jurídico criadas especificamente para reduzir custos de escritórios e departamentos da área. Ela utiliza padrões para avaliar todas as áreas e processos e determinar quais devem ser valorizados, revistos ou eliminados com o objetivo de trazer melhor remuneração.
Porém, o aumento de produtividade aliado à melhora na gestão, por si só, já culmina em redução de gastos.

Competição mais igualitária

Pequenos escritórios, geralmente, não podem contratar um grande número de funcionários. Portanto, não conseguem competir com grandes escritórios, que possuem muita mão de obra e, consequentemente, conseguem trabalhar com muito mais casos.

Com a implantação da inteligência artificial no mercado jurídico, em pequenos escritórios, agora eles podem competir com os grandes. Eles conseguem pegar um número muito maior de processos e com a certeza de que os erros serão minimizados. Dessa forma, eles garantem uma competição muito mais justa no mercado.
 

 

Os advogados serão substituídos pela Inteligência Artificial?

Essa preocupação, ou mesmo, medo, faz parte de todas as áreas onde a tecnologia vem avançando. É um medo lógico e muito real. Existem empregos que já foram completamente extintos pelo uso de máquinas. Porém, existem profissões em que a tecnologia, por melhor que ela seja, não dispensa o trabalho humano.

O direito é uma das áreas onde o trabalho humano é indispensável, então, fique tranquilo, a inteligência artificial no mercado jurídico não vai extinguir os advogados. A tecnologia é capaz de fazer apenas uma parte do trabalho, e, se utilizada como aliado, facilita muito a vida do advogado e possibilita o seu crescimento na profissão.

O trabalho do advogado costuma ser bastante intenso, repleto de pressão por prazos curtos e resultados positivos. A inteligência artificial no mercado jurídico é capaz de reduzir o seu tempo de pesquisa e análise de bases de dados, permitindo maior dedicação para planejar e executar estratégias que irão contribuir para a obtenção dos resultados desejados.

É preciso entender que o direito não é constituído apenas de análises objetivas das leis, são necessárias análises subjetivas e considerações éticas que precisam de um olhar humano. Não podem ser realizadas por máquinas.

Mas é importante entender que o que deve ocorrer é a transformação dos profissionais. Com a tecnologia, não dá para continuar atuando da mesma forma, e isso ocorre em qualquer área. É preciso que se busque atualização constante, não apenas para se manter, como também para se destacar no mercado de trabalho.
 

Como estar preparado para o impacto da Inteligência Artificial aplicada ao Mercado Jurídico?

Por mais que a maioria dos advogados ainda não entendam sobre tecnologia, o fato é que ela está aí e quem não se atualizar vai acabar ficando para trás. Dessa maneira, o profissional pode sim desaparecer e perder o cargo.

O primeiro passo para se preparar é muito simples, porém, muito difícil de executar. É mudar a mentalidade. É preciso mostrar a todos, sejam advogados, juízes, juristas, ou mesmo os clientes, que a inteligência artificial não trará desemprego para o mercado jurídico.

Pelo contrário, será a ferramenta que elevará a qualidade do serviço prestado pelos advogados e ainda permitirá que o seu serviço esteja mais acessível à população em geral.

A inteligência artificial coloca o seu escritório em um outro nível de prestação de serviços. No mundo de informação em que vivemos, onde as respostas estão em uma pesquisa no google, os clientes estão cada vez mais inteirados dos assuntos e muito mais atentos aos serviços prestados e a modernidade do profissional.

É importante o conhecimento e o aprendizado da utilização desses softwares inteligentes. Mas, além disso, é preciso buscar desenvolvimento intelectual em geral. O que você fará com o tempo livre que essas ferramentas te trarão? Você tem que buscar se aperfeiçoar em captação de clientes, fazer alguma especialidade da profissão, ou algo do tipo.

É importante que os advogados se informem e busquem a tecnologia como aliada para a captação de novos clientes. Os primeiros que se munirem desses conhecimentos, terão retorno mais rápido e ocuparão as melhores colocações no mercado.

Além disso, esse conhecimento te proporciona mais uma grande chance. As Lawtechs geralmente são criadas por profissionais ligados à área da tecnologia, engenharia e informática. Mas também, é claro, por advogados. Afinal, são eles que vivenciam as experiências diárias e identificam as necessidades.

Por isso, caso tenha alguma situação em que você buscou uma ferramenta dessas para resolver, e não encontrou, você pode pensar em investir em uma Lawtech. Para isso, você precisa buscar profissionais da área da programação e apresentar a sua ideia.
 

Conclusões

É preciso entender que a inteligência artificial dentro do mercado de trabalho, incluindo o jurídico, já é uma realidade. E o profissional que não buscar fazer parte desse mundo, ficará para trás e acabará perdendo o lugar dentro dessa área.

A inteligência artificial não vai substituir os advogados, porém, aqueles que não se aliarem a ela, poderão ser substituídos por profissionais mais qualificados. E é importante saber que a AI é diferente da automação, que já tem sido utilizada amplamente nos escritórios de direito.

Os números de Lawtechs estão crescendo e as dificuldades encontradas no dia a dia do advogado estão sendo minimizadas pelo uso de softwares inteligentes. Por isso, é preciso se inteirar dos principais softwares do mercado e fazer uso daqueles que se enquadram melhor às suas necessidades.

Com isso, os advogados têm conseguido obter inúmeros benefícios. Entre eles estão mais tempo para o desenvolvimento intelectual e para a prática do empreendedorismo, e a possibilidade de competir no mercado de trabalho com grandes escritórios.

Gostou do conteúdo? Se você quer saber mais sobre tecnologias para administrar a sua empresa acesse nosso site e saiba mais!